Contato
Você está aqui:

O Sistema de Informação Sobre Mortalidade (SIM), desenvolvido pelo Ministério da Saúde, em 1975, é produto da unificação de mais de quarenta modelos de instrumentos utilizados, ao longo dos anos, para coletar dados sobre mortalidade no país. Possui variáveis que permitem, a partir da causa mortis atestada pelo médico, construir indicadores e processar análises epidemiológicas que contribuam para a eficiência da gestão em saúde.

O SIM foi informatizado em 1979. Doze anos depois, com a implantação do SUS e sob a premissa da descentralização teve a coleta de dados repassada à atribuição dos Estados e Municípios, através das suas respectivas Secretarias de Saúde. Com a finalidade de reunir dados quantitativos e qualitativos sobre óbitos ocorridos no Brasil, o SIM é considerado uma importante ferramenta de gestão na área da saúde que subsidiam a tomada de decisão em diversas áreas da assistência à saúde. No nível federal, sua gestão está afeta à Secretaria de Vigilância à Saúde.

O Sistema de informações sobre mortalidade dispõe de um ambiente de compartilhamento de informações on-line com diversas utilidades e aplicações. O acesso a este ambiente é restrito a pessoas cadastradas, para garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos envolvidos nos registros.

Acessar o SIM federal

Como são coletados os dados que alimentam o SIM

O documento básico e essencial à coleta de dados da mortalidade no Brasil é a DECLARAÇÃO DE ÓBITO (DO) que, consequentemente, alimenta o SIM.

A responsabilidade na emissão da DO é do médico, conforme prevê o artigo 115 do Código de Ética Médica, Artigo 1º da Resolução nº 1779/2005 do Conselho Federal de Medicina e a Portaria SVS nº 116/2009. A DECLARAÇÃO DE ÓBITO (DO) deve ser enviada aos Cartórios de Registro Civil para liberação do sepultamento, bem como para a tomada de todas as medidas legais em relação à morte.

A Declaração de Óbito é impressa e preenchida em três vias pré-numeradas sequencialmente. Sua emissão e distribuição para os estados são de competência exclusiva do Ministério da Saúde. A distribuição para os municípios fica a cargo das Secretarias Estaduais de Saúde. Às Secretarias Municipais de Saúde cabe o controle na distribuição das DO entre os estabelecimentos de saúde, Institutos de Medicina Legal, Serviços de Verificação de Óbitos, Cartórios do Registro Civil, profissionais médicos e outras instituições que dela façam uso legal e permitido. Compete às Secretarias de Saúde (Estado e Municípios) o recolhimento das primeiras vias da Declaração de Óbito, junto aos Estabelecimentos de Saúde e aos cartórios.

Como são obtidos e processados os dados do SIM

A mais recente publicação sobre coleta de dados, fluxo e periodicidade de envio das informações acerca dos óbitos, e também dos nascidos vivos, para os Sistemas de Informações geridos pela Secretaria de Vigilância à Saúde é a Portaria SVS nº 116/2009, de 11/02/2009. Esta Portaria revoga a Portaria SVS nº 20/2003.As DECLARAÇÕES DE ÓBITOS (DO) são preenchidas pelas unidades notificantes do óbito (habitualmente no local de ocorrência do óbito) e recolhidas, regularmente, pelas Secretarias Municipais de Saúde. Nas Secretarias Municipais de Saúde (SMS), as Declarações de Óbito são digitadas, processadas, criticadas e consolidadas no SIM local. Em seguida, os dados informados pelos municípios sobre mortalidade no nível local são transferidos à base de dados do nível estadual que os agrega e envia-os ao nível federal. Tais transferências são realizadas via WEB (internet) e ocorrem, simultaneamente, nos três níveis de gestão. No nível federal, a SVS - gestora do SIM - conta, na sua estrutura funcional, com a Coordenação-Geral de Informações e Análises Epidemiológicas (CGIAE). Subordinada ao Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde (DANTPS), a CGIAE trata da análise, avaliação e distribuição das informações sobre o SIM, agregando-as por Estado, e elaborando relatórios analíticos, painéis de indicadores e outros instrumentos estatísticos de informações sobre mortalidade que são disseminados para todo o país.

A importância dos dados do SIM para a gestão em Saúde

O Ministério da Saúde, através da SVS/DANTPS/CGIAE, tem incentivado aos gestores municipais e estaduais a fazerem uso do potencial de dados contidos no SIM, para a formulação de indicadores epidemiológicos como instrumentos estratégicos de suporte ao planejamento das ações, atividades e programas voltados à gestão em saúde.

A redução da mortalidade por causas preveníveis ou evitáveis e a consequente melhoria na qualidade dos dados captados pelo SIM, inclusive em relação à ausência ou má definição de causas mortis são alguns dos resultados esperados com o uso desse sistema.

Neste sentido, o Ministério da Saúde, por meio das áreas técnicas da Secretaria de Vigilância à Saúde, tem atuado tanto na capacitação técnica de profissionais de saúde das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, como na disseminação de indicadores de mortalidade construídos a partir do SIM, gerando linhas de base que parametrizam muitas das diretrizes utilizadas na gestão tripartite do SUS.

O SIM funciona como fonte de dados e de informação que subsidiam a tomada de decisão em diversas áreas da assistência à saúde. Isoladamente ou associado a outras fontes, como por exemplo, ao Sistema de Informação Hospitalar, possui um bom grau de confiabilidade e permite a formulação de indicadores sobre mortalidade geral e específica usados, inclusive, pelo IDB (Indicadores e Dados Básicos de Saúde) definidos pela Rede Interagencial para a informação em Saúde (RIPSA).

A título de exemplo, lista-se, a seguir, alguns dos indicadores específicos de mortalidade que podem ser construídos a partir do SIM:

Em relação à Mortalidade Infantil:

  1. Taxa de mortalidade infantil;
  2. Taxa de mortalidade neonatal precoce;
  3. Taxa de mortalidade neonatal tardia;
  4. Taxa de mortalidade pós-neonatal;
  5. Taxa de mortalidade perinatal.

Em relação à Mortalidade Específica:

  1. Taxa de mortalidade materna;
  2. Taxa de mortalidade proporcional por grupo de causas;
  3. Taxa de mortalidade proporcional por causas mal definidas;
  4. Taxa de mortalidade proporcional por doenças diarreicas agudas em menores de 5 anos;
  5. Taxa de mortalidade proporcional por doenças do aparelho circulatório;
  6. Taxa de mortalidade proporcional por causas externas;
  7. Taxa de mortalidade proporcional por neoplasias malignas;
  8. Taxa de mortalidade proporcional por acidente de trabalho;
  9. Taxa de mortalidade proporcional por diabetes mellitus;
  10. Taxa de mortalidade proporcional por cirrose hepática;
  11. Taxa de mortalidade proporcional por AIDS;
  12. Taxa de mortalidade proporcional por afecções originadas do período perinatal.

Enfim, além desses exemplos, o SIM permite a formulação de indicadores de mortalidade por causas específicas de interesse à análise e avaliação dos sistemas locais, microrregionais, estaduais e nacional de saúde, possibilitando a comparação do perfil epidemiológico do Brasil com o de outros países, a partir de informações sobre mortalidade.

O SIM tem sido também muito utilizado como instrumento de pesquisa. O Ministério da Saúde coloca à disposição da comunidade, dados conclusivos sobre os óbitos registrados desde 1979.

O acesso às informações sobre mortalidade estão disponível nos seguintes endereços e formas:

  1. Para tabulação On-Line: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/cnv/obt10uf.def permite aos usuários tabular os dados por meio de aplicativo de fácil manejo chamado Tabnet;
  2. Para Download dos Micro Dados: os micro dados estão disponível para Download no endereço http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0901&item=1&acao=26&pad=31655;
  3. Para tabulação de dados: para realização de tabulações é disponibilizado pelo DATASUS a ferramenta TabWin, para download da ferramenta acesse http://www.datasus.gov.br/tabwin;
  4. Painéis: para acesso aos painéis de mortalidade acesse o link http://svs.aids.gov.br/dantps/centrais-de-conteudos/paineis-de-monitoramento/mortalidade/.

A Secretaria de Vigilância à Saúde do Ministério da Saúde publica e disponibiliza, anualmente, o livro "Saúde no Brasil", as edições mais recentes de tais publicações estão disponíveis no endereço http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/publicacoes-svs.

Além desses acessos, a Coordenação-Geral de Informações e Análises Epidemiológicas (CGIAE) do Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde (DANTPS) - na Secretaria de Vigilância à Saúde está à disposição para disponibilizar tabulações especiais que não estejam disponíveis nos acessos informados.

A confiabilidade dos dados informados no SIM

O SIM foi avaliado pela OMS como um sistema de qualidade intermediária. Pelo menos foi este o resultado apontado por estudo produzido pela OMS e publicado em 2005, que analisou sistemas de mortalidade de vários países, adotando conceitos de qualidade alta, intermediária e baixa. Apenas 23 países alcançaram o conceito de alta qualidade. O Brasil ficou no mesmo bloco de países como França, Itália, Bélgica, Alemanha, Dinamarca, Rússia, Holanda, Suíça, entre outros que constituem o bloco dos países ricos.

Os dados brasileiros avaliados pelo estudo em referência, antecedem às várias iniciativas adotadas, a partir de 2005, pelo Ministério da Saúde visando ao aprimoramento da qualidade e da cobertura do SIM. Dentre essa iniciativas destaques devem ser dados (1) ao projeto de redução da proporção de óbitos com causas mal definidas, (2) desenvolvimento de novos aplicativos informatizados, (3) administração de curso de formação e de capacitação para codificadores de causas básicas, dentre outros.

Os resultados derivados das iniciativas de aprimoramento do SIM, adotadas pelo Ministério da Saúde, indicam clara melhoria na qualidade da informação sobre mortalidade no Brasil. A redução na proporção de óbitos por causas mal definidas; a diminuição na proporção de registros com campos ignorados ou em branco em diversas variáveis; a redução no intervalo de tempo entre a ocorrência de eventos, sua captação pelo sistema e a transferência para o Ministério da Saúde, são indicadores que revelam resultados inequívocos de qualidade do sistema.

O SIM, com sua longa série histórica, de 1979 a 2009 é, certamente, um dos grandes bens públicos que o Brasil preserva. Motivo de orgulho para gestores, profissionais, cidadãos brasileiros que não medem esforços para torná-lo cada vez melhor, dando-lhe a necessária centralidade na agenda permanente do Sistema Único de Saúde (SUS).

Referências:

Mathers. CD, Fat DM, Inoue M, Rao C, Lopez AD. Counting the dead and what they died from: an assessment of the global status of cause of death data. Bull World Health Organ 2005;83:171-7. Em http://www.who.int/bulletin/volumes/83/3/171.pdf.

Funcionalidades on-line do sistema de informações sobre mortalidade

O Sistema de informações sobre mortalidade dispõe de um ambiente de compartilhamento de informações on-line com diversas utilidades e aplicações. Abaixo, algumas delas:

  • Retroalimentação de registros de interesse para uma UF ou município digitados em outra UF ou município;
  • Área para supervisores regionais ou estaduais realizarem a codificação e a seleção das causas de mortalidade via on-line para registros oriundos de municípios sem codificadores;
  • Módulo de investigação de óbitos;
  • Acesso a listagens de óbitos prioritários para a investigação maternos, mulher em idade fértil, infantil, e fetais;
  • Área para digitação dos resultados das investigações, utilizando modelos de fichas sínteses publicadas em portarias;
  • Relatórios de acompanhamento dos casos segundo status da investigação;
  • Download de arquivos com o conteúdo das investigações para importação pelas instalações locais;
  • Download e atualização de tabelas básicas (Estabelecimentos de saúde do SCNES, cartórios, regionais de saúde, população, Cadastro de médicos CFM);
  • Download de Backup centralizado para recuperar bases locais;
  • Download de registros codificados para locais sem codificadores;
  • Auditoria de volumes entre níveis de informação do sistema (municipal, regional, estadual e federal);
  • Relatórios de produção (transferência, recebimento, entre outros);
  • Alimentação e relatórios sobre distribuição de formulários de DO;
  • Relatório de duplicidades;
  • Entre outras funcionalidades.

O acesso a este ambiente é restrito a pessoas cadastradas, para garantir a confidencialidade dos dados pessoais dos envolvidos nos registros. O Ministério da Saúde é responsável por cadastrar gestores estaduais. Os gestores estaduais são responsáveis pelo cadastro de novos usuários estaduais, e usuários regionais e municipais. E os gestores municipais cadastram outros usuários municipais. Cada um com acessos delimitados às suas áreas de responsabilidade. O cadastro deve ser obtido mediante contatos com estes interlocutores, e assinatura de termo de responsabilidade.

Acessar o SIM federal